domingo, 18 de março de 2012

Um pulinho na Alemanha!!



Quando conhecemos a hematologista do Einstein que iria à Alemanha para fazer a captação da medula do Gui, a Andrea, foi uma festa!! Ela ficou encantada pelo nosso filhote e bastante sensibilizada com a nossa história, e nós felizes de ter uma pessoa tão alto astral nesta missão tão importante!!

Quando ela voltou e nos contou os problemas que havia passado, pois somente após o transplante ficamos sabendo das dificuldades, coincidências e das correntes de solidariedade que se formaram para que ela conseguisse chegar ao nosso encontro no horário marcado é que nos passou pela cabeça o pior...

Assim, lhe fizemos um pedido: para que ela escrevesse para nós o que havia passado de forma que poderíamos registrar este momento tão especial aqui no blog. Mas por alguns desencontros nunca recebemos o texto que elaborou.

Entretanto, houve uma gravação feita pelo próprio hospital onde ela nos conta como foi a viagem! Há também comentários da Juliana, à época ela menciona que 100% do sangue do Gui estava sendo produzido pelo doador, porém, desde então este percentual vem caindo, nos deixando com o cabelo em pé! Como estas alterações são consideradas normais no primeiro ano pós-transplante, só nos resta fazer uma chapinha e segurar a onda...

Agora... com vocês... Andrea, Juliana e Gui!!!!

Um grande beijo a todos,

Adriana

Minha História - Doutoras Daniela e Juliana

910 views
Google+

Uploaded by on Dec 20, 2011

Em outubro deste ano, Andréa Kondo, hematologista e hemoterapeuta do Einstein, recebeu uma missão que, para uma médico, pode soar normal, mas que para outras pessoas pode ser considerada uma missão heróica.
Um pequeno paciente do hospital, o carioca Guilherme Mezabarba, de pouco mais de um ano, necessitava de um transplante de medula para combater uma doença que o deixava sem defesa contra bactérias e fungos (acompanhe toda a história aqui). Depois de meses sem sucesso à procura de um doador compatível no Brasil, a medula de um jovem alemão se mostrou ideal e alguém deveria buscá-la. Andréa foi incumbida dessa missão: trazer o órgão, em menos de 48 horas após a sua retirada, da Alemanha até o Einstein.


Nenhum comentário:

Postar um comentário