sábado, 29 de outubro de 2011

A razão disso tudo...D+8


Tenho escrito muito pouco neste blog. Deixo a Adriana escrever, pois além de gostar e me emocionar com os textos dela, tenho me concentrado em atualizar as informações no Facebook.

Tem sido muito emocionante viver esta experiência com o Gui. Apesar de todas as dificuldades, tensões e cansaço, sempre buscamos tirar algo de positivo desta experiência. Nunca questionamos o porquê disso tudo, mas sim o "para que?". O porquê na verdade não tem a menor importância, afinal fatalidades acontecem e fazem parte da vida. Dessa forma nos concentramos em busca das seguintes perguntas: Qual o aprendizado que podemos obter dessa dessa experiência? Para que o caso do Gui pode servir? Quem poderemos ajudar com isto tudo? Esse está sendo o nosso grande objetivo quando buscamos a divulgação e também quando fizemos este blog e postamos no facebook. Essa luta deixou de ser nossa. Passou a ser de todos os que buscam doadores e que lutam para salvar suas vidas. As vezes penso que nossa vida estava tão confortável e boa a um ano atrás, que esta mexida foi necessária para "acordarmos" e podermos ver problemas que estão muito próximo de nós (e pareciam tão distantes) e o quanto podemos fazer e ajudar.

Quando olho para trás e penso no início desta aventura, fico admirado com a força que nós tivemos e o quanto contamos com a ajuda das pessoas, muitas delas que ainda nem conhecemos pessoalmente, e que foram e estão sendo fundamentais nessa luta. As mensagens que recebemos tanto aqui como no face, tem nos confortado (mais do que eu poderia imaginar), e a solidariedade de todos nos dá muita força para seguir sempre em frente. As vezes comentam a força que nós temos. Mas sei que isso não é necessariamente verdade...é uma questão de não ter opção e pura sobrevivência. E todos os que passam por experiências semelhantes tem essa "força"despertada, ou do contrário não sobrevivem.

Lembro ainda da entrevista da Drica Moraes na Marília Gabriela. Ela comentou sobre o transplante e a luta dela, e mencionou que todos deveriam passar por uma experiência semelhante na vida (claro que frisou que é importante sobreviver a ela...). De certa forma ela está certa. Uma repórter do globo me perguntou também se eu queria a minha vida de volta. Claro que não. Jamais saberia o que eu sei agora. E isso tudo que estamos passando não teria sentido algum...quero sim que esta experiência termine logo e o Gui fique bom! Tirando isso... Nossa vida jamais será a mesma. E tenho muito orgulho disso!

Nunca tive dúvida que o Gui ficará bom. Na verdade não é uma questão de simples otimismo. Sou muito pragmático para isso, e procuro aceitar as coisas como elas são, sem tentar me iludir. Mas esta certeza também não é racional. É um simples saber e sentir...com o coração.

Beijos em todos vocês. E muito obrigado!

Luis Claudio.

6 comentários:

  1. Ele vai ficar bom, e viverá muito, e a experiência de vcs é para o desenvolvimento de vcs, a maturidade, o testemunho que vcs estão dando a toda uma comunidade, quiçá à humanidade.
    Vida longa ao Gui! Oramos por ele e por vcs, muitos bjs!

    ResponderExcluir
  2. É ,querido Luis Cláudio, todos nós aprendemos muito com tudo que vocês estão passando.Renovação de valores, mais amor ao próximo, mais solidariedade. Hoje podemos ajudar fazendo tão pouco, dispondo um pouquinho do nosso tempo ajudamos tanto. Se todos nós abraçarmos esta luta, nos unirmos, com certeza teremos um mundo melhor!
    Domingo passado participei de um Seminário sobre Kadercismo , e fui com a camisa do Hemorio, "Doe medúla óssea" e encontrei uma pessoa com uma camisa "Doe fígado" , não soube a historia dela, mas estavamos fazendo a nossa parte em silêncio.
    É por aí. Tenho muito orgulho de você, agradeço sempre da minha filha ter um irmão como você. Bjos

    ResponderExcluir
  3. Faço minhas as palavras da Sonia. E agradeço a vocês o muito que também estou aprendendo. Me emociono a cada noticia e vejo que a vida é cheia de novidades. Todos os dias aprendermos alguma coisa. As vezes acho que deveria chamar vocês de heróis, mas na verdade acho que todos estamos aqui para sermos heróis das nossas histórias. Então ao invés de achar que vocês são heróis posso dizer que são mestres mostrando como enfrentar cada um a sua dificuldade ou experiencia. Muitos bjsss.

    ResponderExcluir
  4. Luis e Adriana, gostaria de entrar em contato com voces, pois tenho uma filha que hoje está com onze anos e passando pela segunda recaída de uma leucemia e possivelmente precise de um transplante. Gostaria muito de obter algumas informações. Já os adicionei no face. Um abraço e um beijo bem carinhoso nesse guerreirinho que veio pra ensinar muito a todos nós.

    ResponderExcluir
  5. Luis, uma vez li uma frase cujo autor desconheço, mas agora, lendo seu texto lembrei-me dela. "Nós nunca sabemos o quanto somos fortes, até quando ser forte é a única opção."

    Estou com vcs!!! Beijos no seu pequeno.

    ResponderExcluir
  6. Acabamos de ler este post e estamos aqui emocionados,
    torcendo muito pelo Gui.
    Um beijo pra voces!
    Ana Lucia, Helcio, Ana Maria, Joao Ricardo e Maria do Carmo

    ResponderExcluir